Wednesday, May 09, 2007

alma gêmea

Por um milésimo de tempo
nossos olhares se fixaram

- pupilas congeladas no instante indizível

pude então penetrar naquele azul profundo
de um brilho ancestral na íris
de remota familiaridade

um olhar antigo
reconhecido num piscar de eras

almas gêmeas
forjadas no astral dos tempos

eternas, vigilantes
em todas as épocas.

3 comments:

Anonymous said...
This comment has been removed by a blog administrator.
ana wagner said...

Menino! Tá paixonado? rsrs
Lindo poema de descoberta, Hélio.
Parabéns.

putas resolutas said...

oi Aroeira,

obrigada pela visita, seu blog também tem um estilo que gosto ;o)

abraços

ragi