Monday, October 17, 2011

heresia

A cama era um altar
O vinho corria nas veias
E o amor foi profanado nos lábios

Wednesday, October 12, 2011

the end

Filme com final feliz é triste!

Friday, October 07, 2011

unplugged

Os útimos contatos foram só
mentiras
falsidade
hipocrisia
dissimulação
e até leviandades

Puxei o fio.

Monday, September 26, 2011

no ato

Tem gente que faz teatro.
Tem figura que é uma peça.

Wednesday, September 14, 2011

triatlo

A mulher nada
Homem, nado

Ele a remo
Ela no bote

O homem boia
A mulher jiboia

Thursday, September 01, 2011

existência

remoendo as minhas
mordeduras internas

o ranger dos dentes
das juntas, do cascalho

à espera da transição

Sunday, August 21, 2011

tom sur tom

Será que na sociedade dos passarinhos
- eles enquanto aves -
eles desafinam?

(p)rosa

- Manuelzão?
- Não, o rígido: Manualzão!

Thursday, August 18, 2011

um, dois e...

jogue o jogo
escolhidas as armas
o duelo está pronto

honre as regras

para perder
e até para morrer
é preciso ter dignidade

trégua

o guerreiro está ferido
nada de batalhas, dragões
e princesas
o repouso é longo
a recuperação é lenta
a bandeira é branca

Wednesday, August 17, 2011

isenta

Suava frio. Um suor frio como iceberg.
Não era de pânico, era de frieza, mesmo.

Uma esfinge indiferente ao clima.
Um colosso inerte no tempo.

A indiferença não sua nem gela,
mas a frieza escorre na cara.

Tuesday, August 16, 2011

hiato

palavras descoladas
de emoção
tapumes que encerram

intenções lívidas
terreno ardiloso
construções inóspitas

Friday, August 12, 2011

batalha

em meio à fumaça
brandindo a espada no campo
o soldado perdido

coração capenga
lucidez turva
a ilusão nua

o mundo apoiado
sobre um joelho

Wednesday, August 10, 2011

zás

Ela teve escolha, eu não tive
: ficar ou sair
Ela foice

Tuesday, August 09, 2011

arte&manha

Primeiro veio com meias verdades.
Depois chegou trazendo mentiras inteiras.

Friday, August 05, 2011

inverno

A manhã faz manha~ e retarda a alvorada.

Tuesday, July 26, 2011

A vida é feita de prazos.
A morte é à vista.

Wednesday, July 20, 2011

cambista de ocasião

Vendo vassoura e produtos de limpeza
a rodo.
Um vaso de flores entristecidas
e entradas para o zoológico.

Tuesday, July 19, 2011

hai kai

meus miolos o diabo ferve
peço a Deus um vácuo
na verve

fake

saiu do facebook
sumiu do bate-papo
:a máscara era muito pesada.

Thursday, July 07, 2011

debando

o mel que saía da sua boca
já não adoça

alquimia estranha

:a distância turva o néctar
aves negras emanam
de um hálito morno longínquo

legado

a saudade
as mensagens no celular
e a escova de dentes

Wednesday, July 06, 2011

hai kai

da esperança se nutre
vide o voo alto
a que se lança o abutre

Wednesday, June 29, 2011

hai kai

Em noite de lua cheia ou véspera
não gosto de papo de ET
e ETC.

Monday, June 27, 2011

motim

não foi o navio pirata que abordou
nem foi o navio negreiro que raptou
foi a intifada da amada
que fez o levante da âncora
e zarpou

Monday, June 20, 2011

etimologia

Latim:
In vino veritas.

Italiano:
È vero.

Mineirês:
É de vera.

Wednesday, June 08, 2011

bagagem

levo comigo um punhado de pedras
as que me acertaram
as que catei na rudeza dos caminhos
aquelas nas quais eu tropecei

levo comigo também as perdas
- um fardo na existência
que me leva a deixar rastros

trago comigo as penas 
– as sentidas e as imputadas
mas me faltam aquelas que me alçariam voo
e me tornariam mais leve

Saturday, May 28, 2011

hai sai

a relação cai
morre o celular
silêncio pra todo mundo

Thursday, May 26, 2011

frêmito

A paixão é ave fugidia

alçapão não pega
ninho não aquece
pão não segura

um voo mais rasante
um mergulho no infinito

e o voo sem volta

penas e danos
voo sem revolta

Monday, May 23, 2011

epifania

Os sentimentos podem ser fortes como corrente
mas as relações têm elos frágeis.

Sunday, May 22, 2011

ciganinha

passou por aqui
leu cartas
poemas
invocou destinos

deixou alma
palma
deixou gosto

Thursday, May 19, 2011

hai kai

triste sonho
tristonho
o sonho acabou

Wednesday, May 11, 2011

alô alô

o tel toca
não o cel,
mas o céu

Saturday, April 30, 2011

Tuesday, April 26, 2011

hai kai

nau frágil
naufrágio
náufrago

Monday, April 25, 2011

estojo de critérios

O lápis vive se queixando da borracha,
diz que ela é uma desmancha-prazeres.
Enquanto a caneta ri soberba.

Tuesday, March 29, 2011

espectro (letra de música)

Ninguém tem nada a ver com a minha dor
Ninguém tem nada a ver com a minha cor
O problema é todo meu
Ninguém tem nada com isso
Ninguém tem nada comigo
Se a Rita me irrita, eu que me irrito
Ela tá na dela, ela é assim, eu sou assado
Sai fora da Rita, desse círculo viciado
Não se importe tanto
Não importar é o que importa
Dê um fim nisso
O meio não pode ser seu fim
O meio pode ser seu fim

Ou então voe alto
Para longe, em outros ares
Menos densos, mais raros
Outros lugares
Flutue, isso, respire, isso
O seu meio, o seu habitat
É você quem faz

Os fins não justificam os meios
O meio não pode ser seu fim

Wednesday, February 16, 2011

Eu tenho a pressa das emergências
Por isso meu carro bebe
Eu bebo

A travessia me entorpece
A demora chega nunca

Estou aqui de passagem

Enquanto não chego
- a lugar nenhum –
Vou apreciando as paradas

Sunday, February 13, 2011

Thursday, February 10, 2011

gari

As folhas secas deveriam ser a única forma de lixo nas ruas.

Friday, January 28, 2011

expressão

Não sabia escrever um poema de amor.
Que horror!
Entretanto, falava “eu te amo” com a maior desenvoltura.
Que loucura.
Já ele, descrevia bem a sua paixão.
Sem discrição.
E diz que dizia, mais era com os olhos.

Tuesday, January 25, 2011

acredita

Quem não nasceu pra Elis Regina
Ainda pode ser
Uma Maria Rita

Thursday, January 20, 2011

inércia

O alvo quando está longe
Não tem mira
Não tem alcance

A distância é cruel
O olhar distante

Perto, só a lembrança
A saudade de viés
O cheiro.

Um vaivém paralítico
Uma alma engessada
Âncora

Wednesday, January 12, 2011

E vamo que vamo.

Acordou,
colocou o dedo na tomada,
tomou sopa de letrinha
e uma injeção eletrônica.

Saiu pro dia naquele estado.
De choque, de surto-circuito.

Tuesday, January 11, 2011

teclada

“Quero te ver descendo daquele ônibus... é a situação mais real de todas, se não for a única. Porque o resto - cama, vinho, poesia -, isso é sonho, meu amor, isso é sonho.”